sexta-feira, 13 de setembro de 2013

O toque do Highlander (Highlander #7) Karen Marie Moning [Opinião]

Sinopse:

Ele desafiaria os limites do tempo por uma noite nos braços dela…


UM GUERREIRO DE PODERES IMORTAIS

Ele era um poderoso guerreiro escocês que vivia num mundo movido por antigas leis e magia intemporal. Mas nada poderia preparar o laird do Castelo Brodie para a encantadora e amaldiçoada jovem que jazia diante dele. Um terrível golpe do destino tinha-a feito recuar 700 anos no tempo para a sua câmara privada, a tentá-lo com a sua beleza — e a seduzi-lo com um desejo que ele jamais lograria saciar. Pois esta mulher que ele ardia por possuir era igualmente a mulher que ele recusara destruir.

UMA MULHER APANHADA NAS BRUMAS DO TEMPO

Quando Lisa sentiu a terra mover-se sob os seus pés, a feroz e independente mulher do século XXI jamais sonhou que estivesse a cair… direita a outro século. Mas o poderoso guerreiro nu que jazia postado de olhos fulgurantes nela era simplesmente demasiado real… e perigosamente arrebatador. Irresistivelmente atraente, sem dúvida... mas Lisa não tinha intenção de permanecer nesta bárbara terra dilacerada por guerra e traição. Como poderia ela saber que o seu sedutor captor tinha outros planos para ela? Planos que a salvariam de um trágico destino? E como poderia saber que este homem que há muito renunciara ao amor desafiaria o próprio tempo para a reclamar?


Opinião:

Circenn Brodie é uma perdição de Highlander que vive fiel às suas rígidas regras. Nunca sai dos trilhos, nunca foge a uma responsabilidade, raramente sorri e já há muito tempo que não se permite amar alguém. Até que uma desconhecida que usa boné e veste calças de ganga  é arremessada para o seu século e muda a sua vida por completo.

Lisa Stone é uma mulher do século XXI que vive para o trabalho e para a mãe que sofre de uma doença em fase terminal. No entanto, enquanto trabalha em mais um turno, Lisa vê-se frente a frente com um artefacto que muda a sua vida para sempre.

**Os leitores e seguidores do trabalho de Moning sabem que a SdE não editou os livros pela ordem original, por isso viu dar referência à edição portuguesa.** 

Este é já o sétimo livro que leio desta fantástica saga que em cada volume traz até ao leitor um Highlander de sonho que nos faz querer desejar com todas as forças uma viagem relâmpago às terras altas da Escócia e aos prados mágicos da Irlanda. 

Relativamente à narrativa do livro, continuamos a conhecer os clãs dos Lairds e as suas formas de viver. Ficamos a conhecer um pouco mais sobre a história deste povo do norte europeu. Dos seus costumes. Das suas crenças. No entanto aconteceu alguma coisa com este livro que não me encheu as medidas como os anteriores. Não encontrei tanta alegria e boa disposição, situações de peripécias foram quase nulas, ao contrário dos anteriores volumes que estavam repletos de situações caricatas. 

Fiquei contente com a tradução (excesso de brasileirismo) quando comprado com os dois últimos está muito melhor, não encontrei nada flagrante neste aspecto, o que me deixou satisfeita. Confesso que tinha um certo receio de levar com aquela catrafada de expressões que não fazem qualquer sentido num livro que está traduzido para leitores portugueses de Portugal.

Gostei de rever Adam Black e as suas travessuras enquanto fada e dos irmãos Douglas. O amor e o laço de ligação entre Circenn e Lisa também foi um toque de mestre nesta história.
Em suma foi um bom livro, uma leitura rápida e satisfatória.

3* Foi a cotação que atribui a este livrinho no Goodreads.

Recomendo,

Boas leituras



Sem comentários:

Publicar um comentário