sábado, 14 de setembro de 2013

O Espião Português, Nuno Nepomuceno [Opinião]

Sinopse: 


E SE TODA A SUA VIDA NÃO PASSAR DE UMA MENTIRA?

André Marques-Smith é um bom rapaz. Dedicado à família e aos amigos, é o mais jovem funcionário do Ministério dos Negócios Estrangeiros português a assumir a tão desejada direção do Gabinete de Informação e Imprensa. Uma dedicação profissional que esconde um coração partido.

Freelancer é o nome de código de um espião da Cadmo, uma organização semigovernamental internacional. A par do MI6 e da CIA, a Cadmo age nos bastidores da política mundial, moldando o mundo tal como o conhecemos. Freelancer é metódico e implacável, um dos seus operacionais mais cotados.

André e Freelancer são uma e a mesma pessoa. De Lisboa a Estocolmo, Londres, Roma ou Viena, as suas muitas faces desdobram-se, as missões sucedem-se. Uma delas reserva-lhe uma surpresa. Nas suas mãos, está uma descoberta que pode mudar o mundo e pôr em causa toda a sua vida.

Mas, para o melhor e para o pior, ele não está sozinho...

Opinião:

'O Espião Português' é um livro que retrata não só a dupla vida de um agente secreto da Cadmo (agência não governamental de espionagem) como aborda especificamente os últimos 6 meses vividos pela personagem principal: André Marques-Smith. 

Se eu vos disser que há séculos que andava de olho fisgado neste menino, vocês acreditam?

(Dizem vocês em coro: Não, porque o livro só saiu em Novembro do ano passado, por isso deixa-te de dramas!) 

Ok, exageros à parte, já há algum tempo que 'O Espião Português' figurava nos primeiros lugares da sempre crescente lista de livros a comprar. Também participei num sem número de passatempos onde um exemplar desta obra estava em jogo e por outro tanto número de vezes o Mr. Random não quis nada comigo. Até ao dia em que o Blog Saboreia os Livros anunciou o meu nome como a felizarda do passatempo. Nem queria acreditar e mal podia esperar para o começar a ler. 

Adorei o design da capa, o tipo/tamanho de letra e papel escolhido. A obra em si está repleta de acção e suspense, com um cheirinho a Missão Impossível ao bom estilo português. A história aborda temas muito interessantes como: espionagem, mistérios, agentes secretos, ministros, países, leis, regras. Um conjunto de ingredientes que me prenderam à leitura de início ao fim do livro. 

O autor aborda não só a componente misteriosa das agências de espionagem, como ainda nos presenteia com descrições muito realistas sobre algumas das cidades europeias mais conhecidas ao mesmo tempo que desenrola a trama da sua ficção. Entrelaça mundos e vidas paralelas enquanto continua a contar a história de André. 

As personagens que compõe esta ficção pareceram-me todas sólidas e bem descritas. Cada uma muito própria, muito fiel a si mesma. O autor teve o cuidado de não maçar o leitor com descrições e abordagens excessivas. As relações interpessoais, familiares, laborais, etc foram igualmente cuidadas e pensadas ao pormenor, todas elas bastante coerentes. 

No entanto numa ou duas situações notei ali uma aceleração no desenrolar da acção que deixou um rasto no ar de que faltava ali qualquer coisa. A conversa que muda a vida de André, na minha perspectiva, deveria ter sido feita com mais tacto, mais desenvolvimento, mais calma. Compreendo que a bomba tinha de cair mas esperava que tanto Armand como Sílvia fossem mais brandos com o lançar da mesma.

O tipo de escrita, ou a técnica de escrita utilizada pelo autor, escrita maioritariamente em tell, também me fez bastante impressão e é esta apenas e só a sua maior lacuna. Frases demasiado curtas, excessivo uso de pontos finais e ausência de virgulas, o que acabou por quebrar e incutir um pouco de lentidão ao processo de leitura. (É que sabem, eu sou do tempo em que se fazia uma pausa considerável perante um ponto final.) Outra coisa a que me demorei a habituar foi a escolha do Presente do Indicativo para narrar a história, contudo apesar de não ser uso habitual o autor conseguiu marcar pontos na escolha que efectuou, na coerência e à-vontade dos diálogos ou narrativa em geral.

Os twists finais foram q.b. Uns foram previsíveis, não havia outro desfecho que não fosse aquele. Outros deixaram-me um pouco surpreendida porque nada dava a indicar que tal facto fosse acontecer. O final do livro está absolutamente em aberto com a minha curiosidade bastante aguçada para saber o que acontecerá daqui para a frente na vida do agente secreto André Smith. 

Muito resumidamente, adorei ter ganho o livro, gostei da história em si e estou curiosa para descobrir que segredos, mistérios e acção terá o autor Nuno Nepomuceno reservado não só para o André, o nosso espião de serviço, mas para todo o elenco que faz parte desta trilogia.

Um livro interessante, recomendo!
3* foi a cotação no Goodreads

Boas leituras,







Obs: Leitura Tuga Setembro (Desafio lançado pela escritora/autora e blogger Andreia Ferreira no seu blog http://d311nh4.blogspot.pt)

Sem comentários:

Publicar um comentário